1. No Dia 18 de Fevereiro A NERSANT – Associação Empresarial da Região de Santarém – convidou os empresários de Tomar para estarem presentes em sessão de auscultação de seus problemas e oportunidades, no quadro da elaboração do “Estudo estratégico de inovação e competitividade para a região de Santarém” e definição das ações de apoio às empresas no período 2014-2020.

2. Por isso, o objetivo seria o de recolher os contributos dos empresários deste concelho no âmbito da elaboração do seu “Plano estratégico de inovação e competitividade para a Região de Santarém 2014-2020”.

3. Ao que apurámos, deveria ter sido uma sessão de empresários para empresários, sendo que senhora Presidente da Câmara Municipal de Tomar terá sido convidada pela NERSANT, por critério ético e formal, para estar presente.

4. Os vereadores dos PSD também apuraram que a sessão se desenrolou normalmente, até que ao momento que senhora Presidente pediu a palavra para supostamente responder a uma intervenção de um dos presentes, relativa ao agora apelidado Parque Empresarial, e a outra relativa ao potencial do turismo em Tomar. A reunião acabou naquele momento, porque terá sido quebrada a dinâmica existente, tal como foi já reconhecido com alguma indignação por vários dos presentes.

5. A aparente ânsia de protagonismos da coligação PS/CDU assim o ditou, e assim o revelou. O seu paternalismo assim o impôs, esperando nós que essa intervenção não tenha sido castradora, ou desmotivadora de dinâmicas existentes, tal como o foi para a reunião de empresários;

6. Na realidade, em desproposito, a senhora Presidente elaborou com algum detalhe acerca das Opções Estratégicas para Tomar, em novidade absoluta para os presentes, e talvez não só.

Com efeito

Foram, ou serão 4 eixos estratégicos de desenvolvimento:

a. Qualificação Económica: parque empresarial, estação CP;

b. Regeneração Urbana e Cidade criativa

c. Ambiente

d. Turismo: o “core business”(sic), com turismo religioso/sinagoga, com ligação convento-cidade

5. Questões:

a) Qual a legitimidade com que a Senhora Presidente da Câmara apresentou a uma audiência de empresários as supostas opções estratégicas para tomar 2020? Quem e quando as mesmas foram legitimadas;

b) Houve alguma discussão pública dessas opções? Com quem? Teria sido proveitosa essa discussão, com os empresários de Tomar e com a população em geral? Se sim, porque não foi feita?

c) O Executivo aprovou-as ou considerou-as? Quando?

d) Ou a a Senhora Presidente é detentora de toda a verdade, competência sapiência, e não considera necessário auscultar os principais interessados no assunto, os empresários? E talvez, os que melhor podem acrescentar valor a essas ideias, porventura positivas?

 

Tomar, 6 de Março de 2014

Os Vereadores do PSD

(João Miragaia Tenreiro)

(Maria Luísa Oliveira)