1. Nos termos do Despacho n.º 1/2014, de 13 de janeiro, foi operada a mobilidade intercarreiras, pelo prazo de 18 meses, dos seguintes trabalhadores:

a) Virgílio Saraiva de Matos, de Assistente Técnico, para Técnico Superior;

b) Fátima da Conceição Bugarin dos Santos Rufino, de Assistente Técnico, para Técnica Superior;

c) Alexandra Margarida Correia Dias, de Assistente Operacional, para Assistente Técnica;

d) Valéria Neves Marques Joaquim, de Assistente Operacional, para Assistente Técnica;

e) Filomena Maria do Carmo Marques Galvão, de Assistente Operacional, para Técnico Superior.

De louvar a medida contemplada no Orçamento de Estado para 2014, que veio permitir que os funcionários públicos que mudem de categoria nas situações de mobilidade interna possam receber o salário correspondente a essa categoria. Contudo, não nos podemos esquecer que a fundamentação do Orçamento da Câmara Municipal de Tomar, para 2014, por parte da coligação PS/CDU se baseou “num contexto de crise económico financeira, sob um programa de ajustamento definido pela denominada “troika” caracterizado por grande austeridade, em grande parte acrescida pela política definida pelo governo português, como mais uma vez se torna evidente no orçamento de estado apresentado e aprovado”. Por esse motivo, vêm os vereadores do PSD solicitar informação relativa ao custo concreto das referidas mobilidades intercarreiras, e onde se encontra previsto o seu custo no orçamento para 2014.

 

Os Vereadores do Partido Social Democrata

João Miragaia Tenreiro

Maria Luísa Oliveira