Na última Assembleia Municipal, na passada sexta-feira, Tiago Carrão, Presidente da JSD Tomar e deputado municipal, apresentou a proposta “Mobilidade Jovem”, aprovada por unanimidade.
A proposta apresentada tem como objetivo implementar uma estratégia de mobilidade de jovens, que permita criar condições para que os jovens tomarenses tenham a oportunidade de regressar a Tomar após a conclusão do ensino superior e também facilitar a sua entrada no mercado laboral local e regional.
Temos vindo a assistir ao longo dos últimos anos a uma quebra da população de Tomar, em especial de jovens, à semelhança da maioria dos concelhos das regiões do interior do nosso país. A tendência é a migração para zonas do litoral e grandes metrópoles mais desenvolvidas e, urge por isso, a implementação de medidas para minimizar e combater este flagelo.
Tomar tem assim de promover estratégias que não só contrariem este êxodo, mas que também facilitem o retorno daqueles que, por motivos académicos e profissionais, se deslocaram para fora do nosso concelho.
A proposta engloba três fases:
Fase 1: Centro de apoio ao jovem estudante
O objetivo desta primeira fase é a criação de um gabinete municipal, composto por técnicos da autarquia, que, em conjunto com as escolas secundárias e profissionais do concelho, monitorizam a saída dos estudantes destas instituições, registam o seu percurso académico, recolhem os dados relativos à escolha de curso superior, a duração do curso e índices de emprego a nível local e regional. Através deste estudo, teremos a informação necessária para otimizar as fases seguintes desta proposta.
Fase 2: Protocolos estágio-emprego
A segunda fase consiste na realização de protocolos entre a câmara municipal, os agentes de desenvolvimento económico em Tomar e na região, como as empresas, a NERSANT e o Instituto Politécnico de Tomar, a fim de proporcionar estágios aos jovens tomarenses, que têm assim a possibilidade de regressar ao seu concelho. Esta fase serve três propósitos: oferece aos jovens que optaram por estudar fora de Tomar a oportunidade de regressar à sua terra para estagiar e, findo o estágio, a possibilidade de conseguir emprego; as empresas e organizações aderentes terão acesso a mão de obra altamente qualificada e motivada; por último, e objetivo desta proposta, ajuda a minimizar os efeitos de desertificação a nível concelhio.
Fase 3: Criação de uma rede
Por último, a terceira fase, resulta da compilação das métricas da fase 1, com os protocolos da fase 2, dando origem a uma rede que faz a ligação entre os estudantes, recém-licenciados, o gabinete municipal e os agentes económicos locais e regionais.
O objetivo desta rede é aproximar a juventude tomarense, que está a estudar ou à procura do primeiro emprego, do tecido empresarial, fomentando o desenvolvimento demográfico e económico do nosso concelho.
Esta rede para além da componente física, no gabinete municipal da fase 1, terá a sua principal implementação através de uma rede online, com a criação de um portal que permitirá estreitar ligações entre os jovens e as entidades empregadoras.

Por último, o gabinete municipal terá ainda a responsabilidade de organizar eventos que promovam a interação entre todos, tais como feiras de emprego e encontros entre jovens, mentores e empregadores. A aprovação e adoção desta proposta serão certamente factor diferenciador de Tomar, dando um contributo significativo para a fixação de jovens no concelho, e consequente diminuição do êxodo de massa crítica.