Numa entrevista à Rádio Hertz, disponível online em www.radiohertz.pt/?pagina=noticias&id=17075, foi referido pela Sr.ª presidente de Câmara que o incêndio que ocorreu no interior da tenda que está na área do mercado não mereceu qualquer investigação porque as autoridades «assim o determinaram».
Além do mais, é referido no citado órgão de comunicação social que a Sr.ª Presidente “deu a entender que alguns dos vendedores são avessos a ações de limpeza que se possam fazer na tenda”
É ainda referido que, a Sr.ª Presidente afirmou que os serviços de higiene e limpeza do Município foram acusados de roubar produtos quando estavam apenas a limpar o interior da estrutura.
Desde já os vereadores do PSD declaram que se demarcam e não se identificam com estas imputações e acusações feitas pela Sr.ª Presidente.
Mais, disse a Sr.ª Presidente que não compete à autarquia determinar que se faça a investigação ou não das causas do incêndio, mas sim às autoridades. E se estas não viram matéria para que pudesse prosseguir com a investigação…
Os vereadores do PSD também não aceitam esta versão, dado que compete claramente à Autarquia, enquanto proprietária, promover e diligenciar por todos os meios no sentido de averiguar quais a causas que estiveram na base do incêndio, devendo utilizar e socorrer-se de todos os meios para tal.
A conduta da aliança de esquerda parece querer imputar as causas do incêndio a um eventual desmazelo por parte dos comerciantes, o que nos parece injusto, imerecido e impróprio, dado que é à autarquia que compete vigiar o cumprimento das regras de zelo e asseio no mercado.
A Sr.ª Presidente tem mesmo a ousadia de afirmar que “Qualquer tomarense que vá à tenda sabe quais são as condições em que ela se encontra, sabe quais as condições de arrumação/desarrumação em que ela está” e que “qualquer um de nós, no nosso local de trabalho, deixa-o limpo. (…) Os nossos serviços de higiene e limpeza juntamente com os serviços do mercado foram proceder a uma limpeza mais profunda na tenda e foram acusados de estar a roubar produtos. Não são condições para se ter um mercado… Por volta de mês e meio antes tínhamos gasto dinheiro na tenda para tentar baixar a temperatura, mas fomos confrontados com mais essa despesa, pelo que o dinheiro investido foi praticamente deitado fora”.
  1. Ora, da análise das respostas dadas pela Sr.ª Presidente, parece que, tal como fez o Sr. Presidente de Junta Urbana Augusto Barros, V. Ex.ª está também a apontar o dedo aos comerciantes do mercado, pelo facto ocorrido a 31 de Agosto;
  2. É de lamentar que não se apure a realidade e se façam acusações gratuitas, sem qualquer facto fundamentado e baseado na realidade, de forma a se poder apurar a realidade.
  3. Neste sentido os vereadores do PSD solicitam cópias de todas as diligências e conclusões escritas pelos OPC,  apuradas durante o inquérito e que terão levado ao arquivamento do processo;
  4. Questionam também se no dia em que ocorreu o incêndio estava algum colaborador da câmara encarregue de vigiar a tenda do mercado e se não estava qual o motivo, solicitando assim o mapa de distribuição de tarefas no mercado municipal;
  5. Que se apure quais os vendedores que se opuseram à limpeza e porque motivo os colaboradores da câmara não procederam a essa mesma limpeza.
Sr.ª Presidente, de facto como afirmou, não se pode brincar com o dinheiro público. Por isso a culpa não pode morrer solteira.
Mas de uma vez por todas, basta de fazer insinuações que possam de uma forma ou de outra imputar culpas aos vendedores do Mercado Municipal.
Tomar, 13 de Outubro de 2014
Os vereadores do PSD
(João Miragaia Tenreiro)
(António Manuel Gonçalves Jorge)