Agradecemos a vossa presença nesta que é a primeira Conferência de Imprensa da nova Comissão Política da Secção de Tomar do Partido Social Democrata.

Antes de mais, porque a política é feita de pessoas e para pessoas, começamos por prestar a nossa homenagem ao militante Luís Boavida, recentemente falecido.

A sua perda enche-nos de enorme consternação e profunda tristeza.

A vida de Luís Boavida é um exemplo de entrega e dedicação, indissociável das inúmeras causas pelas quais se bateu ao longo da sua vida, distinguindo-se pelo seu carácter e abnegação.

Deixa-nos um legado humanista que nunca esqueceremos.

É também para honrar a memória do Luís e tantos outros que deram e continuam a dar muito de si pela comunidade tomarense que trabalharemos ao longo dos próximos 2 anos.

Aproximamo-nos do final do primeiro semestre de 2018, quase cinco anos de governação camarária socialista em Tomar.

É legítimo perguntarmo-nos: onde está a mudança prometida?!

O declínio populacional de Tomar está à vista de todos, em 4 anos, entre 2013 e 2017, o nosso concelho perdeu mais de 2.500 pessoas!

O investimento público para o desenvolvimento de Tomar é quase inexistente.

E o investimento privado também fica aquém do seu potencial, com o número de novas empresas a ser largamente ultrapassado pelas empresas encerradas.

O número de pessoas que não conseguem encontrar trabalho continua acima do milhar.

É na qualidade de vida que está a aclamada mudança? Não nos parece. Tomar foi o concelho da região com a pior qualidade de vida o ano passado.

Uma gestão municipal que é das menos transparentes a nível nacional!

Uma manutenção e limpeza da cidade constrangedora para aqueles que aqui vivem e um péssimo cartão de visita de Tomar.

O que temos afinal?

Mais fixação de jovens? Mais segurança? Mais participação dos cidadãos na gestão municipal? Mais dinâmica concelhia? Pagamentos a fornecedores a tempo e horas? Já avançou a reabilitação urbana anunciada em junho de 2015?

A resposta a estas e muitas outras questões é sempre a mesma: NÃO!

O concelho de Tomar vive tempos de estagnação.

O que seria de Tomar se não fosse a capacidade e engenho dos tomarenses, o trabalho dos autarcas nas freguesias, a dinâmica associativa e social no concelho, a energia da comunidade educativa e a resiliência dos empresários?

Assumimos, por isso, a liderança do PSD em Tomar num momento crucial, a tempo de construir uma verdadeira, séria e credível alternativa a esta gestão camarária socialista.

Num rápido exercício de análise, encontramos diversos exemplos recentes da desgovernação municipal e falta de empenho dos autarcas do Partido Socialista.

Rio Nabão

Cada vez mais poluído, como não há memória! Ultimamente são tantos os atentados ao nosso rio que até corremos o risco de alguns considerarem como sendo uma situação normal.

Não o permitiremos nem baixaremos os braços na defesa de um rio Nabão livre de poluição!

Estão a matar o nosso rio. A sua fauna, a sua flora. E a Câmara Municipal permanece, impávida e serena, limitando-se a reuniões de circunstância com outras entidades competentes, que tão bem sabemos em que resultam. Afinal, o que tem feito o Município para salvar o rio Nabão?

Muito pouco, para não dizer nada. Antes das eleições de outubro passado, a Comissão Municipal de Ambiente ainda dava sinais de vida. E neste mandato? Até hoje, nem uma única vez reuniu!

Há umas décadas atrás, a população mobilizou-se contra a tentativa de desviar o curso do rio. Será que, desta vez, a única solução é os tomarenses juntarem-se novamente para evitar que matem o nosso rio?

Proteção Civil/Bombeiros/Sapadores Florestais/Floresta

Estamos à beira do Verão e percebemos que muita coisa está mal nestas áreas.

O que se passa com a Corporação de Bombeiros?

Demissões no Comando, problemas nos pagamentos, desmotivação generalizada!

O que se passa com os Sapadores Florestais? Teremos ou não uma equipa de Sapadores Florestais a operar este verão? Em que termos? O que acontecerá à equipa de Sapadores Florestais que temos atualmente a funcionar em Tomar?

E quanto à limpeza da floresta e matos? A Câmara Municipal está a assumir as suas responsabilidades? Se está com que custos para o Município?

As preocupações são várias, mas podem resumir-se a uma única pergunta: a população do concelho pode estar descansada este verão, porque tem uma Proteção Civil operacional, eficaz e com meios suficientes para fazer face às ocorrências?

Feira de Santa Iria

O Partido Socialista anunciou que a Feira de Santa Iria este ano realiza-se no Mercado Municipal, devido às obras de requalificação da Várzea Grande.

Mas, quando começam afinal estas obras? Começarão antes de outubro?

Ou será que não se trata de mais uma teimosa da Câmara Municipal, que se recusa a voltar com a palavra atrás quando o ano passado afirmaram que em 2017 seria a última vez que a Feira se realizava na Várzea Grande?

E, no final de contas, acabaram por encontrar uma solução “coxa”, colocando a Feira de Santa Iria num espaço mais limitado, o Mercado Municipal e espaços envolventes, com prejuízos para os comerciantes habituais do Mercado, eliminação do estacionamento nos parques de Sta. Iria e junto ao Centro de Emprego e corte de trânsito na EN 110, entre a rotunda dos Bombeiros e a rotunda Alves Redol.

Será o Mercado Municipal uma boa solução para a Feira de Santa Iria? Ou não seria preferível mantê-la no local habitual, a Várzea Grande, enquanto não começam as obras ou existe uma solução definitiva?

Limpeza

A falta de limpeza nas ruas, passeios e parques é já uma “imagem de marca” desta governação socialista!

São diários os relatos destas e outras situações, como os contentores e papeleiras cheias.

Para os tomarenses uma convivência com as ervas e o lixo e, para quem nos visita, uma péssima recordação de Tomar.

Como se não bastassem as ruas, esta situação deplorável alastrou aos cemitérios, com o Cemitério de Marmelais num estado nunca antes visto e que só foi corrigido depois da indignação da população nas redes sociais. Se é fundamental a consideração pelos vivos, não menos importante é o respeito pelos mortos.

Requalificação de Estradas

No ano passado, em plena campanha eleitoral, o Partido Socialista anunciou um conjunto de obras de requalificação:

Requalificação da Várzea Grande, da Av. Nuno Álvares Pereira, da Rua Torres Pinheiro e da Av. Combatentes da Grande Guerra. Bem como a requalificação dos espaços exteriores da Praceta Raúl Lopes, da Av. Coronel Garcês Teixeira e da Av. Dr. Aurélio Ribeiro.

Quase um ano depois, desconhece-se a situação da maioria destas obras. Estão em estudo? Estão em projeto? Estão em concurso? Estão em análise de candidaturas? Estão adjudicadas? Quando começam?

No próximo ano há Festa dos Tabuleiros. Que cidade vamos ter?

O PS tem a responsabilidade de esclarecer estas questões a todos os tomarenses, em particular aos que votaram no Partido Socialista devido a estas promessas eleitorais.

Investimento

Quais os apoios concretos do TomarInveste para o tecido empresarial, apresentado em 27 de janeiro de 2014?

Para além de mudar o nome para Parque Empresarial, o que é que a Câmara Municipal fez mais pela Zona Industrial? Apenas um outdoor!

O que tem feito a Câmara Municipal para potenciar a parceria com o Instituto Politécnico de Tomar e a SoftInsa/IBM com vista a transformar Tomar num cluster tecnológico.

Onde estão os investidores anunciados em abril de 2014 interessados em instalar um hotel de 4 estrelas no Convento de Santa Iria?

O que é feito dos investidores chineses em Tomar, anunciados em plena campanha eleitoral, cujo regresso seria em novembro passado. 6 meses depois, nem vê-los!

Quantos investidores chegaram realmente a Tomar através da Via Verde?

Poderíamos também perguntar pelo projeto Museológico do Complexo Cultural da Levada, um património com o potencial para ser a “âncora” de atratividade turística ao centro da cidade, nomeadamente para quem visita o Convento de Cristo.

Porque tarda a intervenção no Fórum Romano se já em novembro de 2014 a Câmara Municipal tinha todas as autorizações por parte dos proprietários?

Ou a requalificação do Agroal, para o tornar mais atrativo, anunciada com pompa e circunstância em julho de 2014?

Certamente que a resposta do Partido Socialista para estas questões será a desculpa recorrente com os mandatos anteriores do PSD.

Mas a verdade é que não estão a governar há 5 meses, estão quase há 5 anos!

E se encontraram dificuldades, como certamente os que vierem a seguir encontrarão, com uma gestão séria e capaz já há muito que teriam sido ultrapassadas.

Tanto dinheiro gasto que poderia ter sido evitado.

Tanta falta de visão e de estratégia para Tomar.

Tantas opções e prioridades discutíveis.

Por tudo isto, o Partido Social Democrata sob a minha liderança apresenta-se aos tomarenses renovado, com a capacidade de libertar o Município do marasmo que dele se apoderou, com propostas e soluções para combatermos a demagogia e o vazio da governação socialista do Município.

Trabalharemos pela recuperação, valorização e promoção de Tomar.

O PSD é novamente sinónimo de esperança para as gentes do nosso concelho.

Capaz de devolver à sociedade civil a paixão na participação da decisão dos destinos de Tomar.

Dar voz às pessoas, às empresas, às associações e clubes, às escolas e às instituições sociais.

Tudo faremos para merecer a confiança dos tomarenses!

Tomar, 4 de junho de 2018