Foi com grande estupefacção que me deparei com um artigo da edição da semana passada, em que dava a entender que já estarão garantidos 6 milhões de euros para Tomar. 


E a minha incredulidade aumentava à medida que me apercebia de como com um par de palavras se tenta enganar um povo.


Pois bem, grande parte dos tais projectos nunca se ouviram falar e muito menos foram apresentados nos órgãos devidos, nomeadamente, junto da vereação ou da Assembleia Municipal. Alguns até já sabemos que foram recusados, tal como a “requalificação do espaço público do Flecheiro” e a “valorização dos vestígios da ocupação romana de Tomar”, restando os tais investimentos de entidades privadas e publicas, que não estão patentes em lado nenhum e que, a serem verdade, já teriam preenchido todas as manchetes dos jornais locais. Aliás, não esqueçamos que alguns, amplamente noticiados, sabemos agora que não tiveram qualquer andamento, nem forma de concretização. 


A ausência de explicações da Senhora Presidente sobre o chumbo dos projectos, só me leva a concluir que o Município de Tomar, não terá entendido quais os reais objectivos do PEDU (Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano), apresentando “projectos”  que não tinham viabilidade, por falta de enquadramento. Isso serve agora para dizer que não fazem, porque não há financiamento. Caso este meu entendimento esteja errado é tempo de a senhora Presidente finalmente explicar a fundamentação do chumbo desses projectos.  


Seria muito interessante também que a Sra. Presidente mostrasse esses projectos à população, para que pudéssemos ter conhecimento do que foi apresentado.     


Finalmente, e para acentuar a revolta, ainda nos deparamos com as notícias de que a Câmara de Abrantes comunicou a aprovação de que receberá 6 milhões de euros para reabilitação urbana, que Torres Novas terá 5 milhões de euros de fundos comunitários para regeneração urbana associadas a comunidades desfavorecidas e outros 5 milhões de euros para consolidação das barreiras na encosta de Santa Margarida em Santarém.


Mas não deixa de ser caricato que a palavra mais repetida no artigo seja “aguardando”, pois iremos continuar a aguardar que esta coligação decida ser transparente e comece a trabalhar em prol de Tomar. 



Beatriz Schulz, vogal da c.p. do PSD de Tomar